Yoga: alinhando corpo e mente


Eu me apaixonei pela Yoga primeiro pelo corpo. Como sou bailarina, a forma como experimento as coisas pela primeira vez tem muito a ver com a parte sensorial, mais física. Então a primeira coisa que me fez amar a Yoga foi como o meu corpo se sentia durante e ao final da prática.

Para mim foi muito importante trabalhar a permanência nas posturas, já que sou inquieta e quero sempre me mover, foi importante entender a força física que era necessária para sustentar os asanas e também o controle mental para continuar presente sem querer me mexer. Além disso, percebi como me trazia um forte alinhamento de coluna, principalmente, e alongamento. Meu corpo foi abrindo espaços e aos poucos fui conquistando novas posturas que não conseguiria imaginaria assim que comecei a praticar.

A segunda vez que me apaixonei pela Yoga foi quando tomei consciência de um processo que já vinha acontecendo desde a primeira prática: o efeito positivo que me trazia energeticamente. Para mim era difícil ficar aqueles minutinhos iniciais apenas respirando, queria partir logo para a parte física, mas logo percebi que aquele momento ia ficando mais e mais prazeroso e quando a professora me pedia para fazer a última respiração antes de começarmos a nos mover, eu sentia que poderia ter ficado mais tempo.

Respirar é algo que não valorizamos o suficiente. É aquilo que nos mantém vivos. É também a nossa chave para controlar nossa energia. Na Yoga a respiração é a Prana, energia, então conseguimos nos acalmar através da manipulação de como o ar entra e sai dos nossos pulmões. Ao trabalhar essa consciência consegui perceber como ao controlar a respiração durante a prática de asanas mais vigorosos, conseguia me sentir menos cansada e fazê-los melhor.

Ao longo dos anos percebi como o alinhamento do corpo tem muito a ver com o alinhamento dos nossos pensamentos com as nossas ações, alinhamento do nosso propósito com a nossa forma de levar nossa vida, o alinhamento com a nossa essência. A prática da Yoga me trouxe autoconhecimento e autoestima. Coisas difíceis de se conquistar! Nós nos julgamos frequentemente e raramente nos perdoamos. Podemos perdoar e entender todos, mas somos nossos maiores críticos. Na Yoga entendi que tudo tem seu tempo e seu lugar.

Agora me tornei professora e tenho como objetivo abraçar a todos na prática da Yoga! Não há níveis, há etapas. Cada um na sua etapa, todos no mesmo caminho: o caminho para dentro de si. As respostas estão dentro de nós e não fora. A minha prática engloba elementos físicos e energéticos e procura proporcionar uma hora diferente e transformadora na vida do praticante. Eu e o Respirartes estamos de braços abertos e prontos, agora só falta você! Vem.


0 visualização